Sunday, June 25, 2006

TJs e transfusão de sangue: falsa informação - parte 1

Os tribunais são freqüentemente chamados para ordenar transfusões para crianças cujos pais são Testemunhas de Jeova. [19] Na seção de informação legal intitulada "A Decisão é Sua" a brochura [Como Pode o Sangue Salvar Sua Vida] informa os pais que os tribunais reconhecem os seus direitos em tomar decisões médicas para seus filhos:

Em 1979, o Supremo Tribunal dos EUA declarou meridianamente: "O conceito legal de família repousa sobre a suposição de que os pais possuem o que um filho menor carece, em maturidade, experiência e capacidade de julgamento exigidos para fazer as decisões difíceis da vida. . . . Simplesmente porque a decisão de um genitor [sobre um assunto de saúde] envolve riscos, não transfere automaticamente o poder de fazer tal decisão dos pais para alguma agência ou autoridade do Estado.” — Processo Parham v. J.R. [20]

Naquele mesmo ano, o Tribunal de Recursos de Nova Iorque acordou: "O fator mais significativo em determinar se o filho está sendo privado de adequados cuidados médicos . . . é se os pais proveram ao filho um processo adequado de tratamento médico à luz de todas as circunstâncias prevalecentes. Esta sindicância não pode ser apresentada em termos de se um pai fez uma decisão ‘certa’ ou ‘errada’, pois o estágio atual do exercício da medicina, apesar de seus amplos avanços, mui raramente permite que se tirem tais conclusões definitivas. Nem pode um tribunal assumir o papel de pai substituto. — Processo In re Hofbauer. [21]

Enquanto estas citações não estão em si mesmas inexatas, a Sociedade não informa seus leitores que estes casos particulares não envolvem filhos de Testemunhas de Jeová que precisavam de imediatas e salvadoras transfusões de sangue. Ademais, Parham v. J.R. ocupa-se com o desejo dos pais em obter ajuda psiquiátrica por civilmente cometer um pequeno e incontrolável contradição às objeções da criança. [22] Além disso, os fatos pertinentes em Parham não envolveram o a recusa dos pais em aceitar tratamento médico em base religiosa. Realmente, conforme o Juiz Stewart escreveu que um estado teria bases constitucionais por apropriar-se da decisão dos pais, e defendeu esta posição se referindo a um caso original contra um pai Testemunha de Jeova que designou que sua sobrinha de menor se engajasse na venda de revistas de Sociedade em violação da lei trabalhista envolvendo criança. [23] Em re Hofbauer tratou-se da escolhas dos pais em usar nutrição em vez de quimioterapia ao tratarem um caso sa doença de Hodgkin. [24] O tribunal de Hofbauer também diferenciou estes fatos de casos que envolvem a recusa religiosa dos pais de tratamento médico, inclusive fez uma referência para um caso específico de sangue envolvendo Testemunhas de Jeova, um fato que a brochura omitiu. [25] Destes exemplos, um claro precedente é visível que muitos tribunais ordenarão transfusões de sangue para filhos acima de e contra o desejos dos pais. [26] Assim, os pais de Testemunha de Jeova podem ser surpreendidos ao descobrir que aquele precedente nega o seu suposto "direito" ao fazer seus filhos como mártires. [27]

artigo completo: http://www.reexamine.info/images/bloodessay.pdf

2 Comments:

Blogger marcelino said...

muito bem esconder informações importante dos TJ é uma pecado contra Deus e iniquidade , fico triste em ler assunto que mostra a falta de honestidade da liderança ao fazer uma brochura sobre o sangue.
Amiga você tem mais artigos sobre manipulações de informação nas publicações das TJ ?

12:57 PM  
Blogger rad said...

oi marcelino,

há uma infinindade de casos sobre manipulação de informações em publicações da STV. As principais vítimas são as próprias TJs. Os executivos da STV não tem escrúpulos em omitir informações importantes sobre os bastidores do seu poder por meio de desculpas esfarrapadas, enganando os próprios fiéis nas congregações.
Sugiro ler "Crise de Consciência" de Raymond Franz.

5:36 PM  

Post a Comment

<< Home